• Clube de Criação, em São Paulo, ganha chapa de oposição para a próxima eleição

    A Chapa Preta, que está atualmente no comando do Clube de Criação, em São Paulo, já ganhou uma concorrente para a próxima eleição.

    Publicidade
    Publicidade

    Será a “Chapa Coletiva”, que vem com uma proposta de não ter vice-presidente ou diretores: todos os seus membros serão presidentes. Ou co-presidentes, como hoje existem nas agências co-CEOs e co-diretores de criação.

    Os nomes foram apresentados na terça, 01/08, no Instagram @chapa_coletiva, com a seguinte composição: Andressa Cruz – AKQA (@dessacruzz), Carla Cancellara – F.biz (@carlacancellara), Epaminondas Paulino – Galeria (@epaminondaspp), Felipe Silva – Gana (@felipesilvaa), Heitor Caetano – DPZ (@heitorcae), Jessyca Silva – VMLY&R (@jessycasilva), João Caetano Brasil – Grey (@joao_caetano), Mariana Youssef – Saigon (@mariyoussef2), Mariana Sá – Artplan, Romero Cavalcanti – Energy BBDO (@romero_cavalcanti), Tatiana Nascimento – Janga (@tati_nasci) e Toni Fernandes – Monkey-Land (@toni_fernandes).

    Em uma das postagens, entre as duas colocadas no Instagram, eles se explicam:

    Se um Clube é um coletivo, por que não um coletivo presidente?
    Afinal, uma ideia pode até começar só com uma pessoa, mas ela só acontece quando todos participam.
    E, num Clube feito de ideias, com uma história feita de pessoas, no plural, não dá pra ser diferente.
    Evoluímos muito, e acreditamos que podemos evoluir ainda mais, especialmente quando essa evolução é coletiva.
    É nesse contexto que nasce a Chapa Coletiva.
    Se sempre existiu presidência, aqui existem presidências.
    Para a colaboração de cada um se somar em prol da grandiosidade do Clube.
    E, com isso, mantermos o significado dessa palavra viva:
    “Associação de pessoas para um fim comum ou com um interesse partilhado.”
    Unimos diferentes gerações, áreas, pontos de vista.
    Porque, somos um coletivo, somos um Clube.

    Na última eleição do Clube de Criação (antigo CCSP, Clube de Criação de São Paulo), foi eleita a Chapa Preta, composta apenas por profissionais negros e sob a liderança de duas mulheres: Joana Mendes (na época R/GA, hoje WPP), presidente, e Gabriela Moura (na época Soko, hoje Talent Marcel), vice-presidente.

    O processo, apesar da proposta de fortalecer a presença de profissionais pretos nos times de criação das agências, não mobilizou o setor, dizem analistas do mercado, só contando com votos válidos de 193 associados, sendo 130 para a Chapa Preta e 63 para a Chapa 2, liderada por Wal Tamagno e Luciana Haguiara.

    Ainda fazem parte da atual diretoria Robson Rodriguez (diretor administrativo), Israel Bastos (diretor administrativo), Erick Willmer (diretor de divulgação), Renan Damascena (diretor editorial), Mariana Mendes (diretor secretário) e Marcelo Augusto (diretor secretário).

    Publicidade

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, Rádio Tupi FM, TV S e TV E.

    Envie um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


    Discussão

    1. Barbara

      Como não mobilizou o setor se tiveram 130 votos a favor? Aparentemente se ganharam, o setor foi mobilizado, os analistas faltaram na aula de análise de dados.

      Nunca vimos o Clube de Criação tão bem falado e movimentado em anos. A Chapa Preta revolucionou, histórica toda a caminhada deles!

    seta
    ×