Janela Publicitária    
 
  Publicada desde 15/07/1977.
Na Web desde 12/07/1996.
 

Janela Publicitária - Edição de 23/MAI/2003
Marcio Ehrlich

 

939 de Comunicação no listão do INSS
O listão de empresas devedores da Previdência Social, divulgado na última semana, relaciona 939 pessoas jurídicas da área de comunicação, segundo pesquisa realizada no site do órgão, pelas palavras chaves "propaganda", "publicidade", "promocoes" e "comunicacao".
Para comprovar que as dificuldades do setor não são de hoje e que o governo tinha razão ao declarar que será difícil receber tudo o que é devido à previdência, estão lá tanto algumas das maiores agências brasileiras como produtoras e veículos de comunicação, com a curiosidade de incluir inúmeras massas falidas e empresas que sequer continuam em atividade.
Pode até ser um pensamento antipatriótico, mas, convenhamos, que ânimo um pequeno e médio empresário pode ter para pagar seus impostos quando descobre que entre os maiores devedores da Previdência estão inúmeros órgãos de governos federais, estaduais e municipais?
SERVIÇO DA JANELA: Clique aqui para ver a lista das 939 empresas. Para fazer a pesquisa por empresa, obtendo os respectivos valores devidos, consulte www.previdenciasocial.gov.br/devedores/devedores.asp.

AlmapBBDO contesta débito ao INSS
"A inclusão da AlmapBBDO na malfadada lista do INSS é totalmente indevida e injurídica", diz o advogado paulista Felipe Amante, em documento encaminhado à Janela pela agência. Segundo ele, não existe o débito de R$ 737.067,60 divulgado no site do Ministério da Previdência Social, pelos processos administrativos de ns 32.298.013-5 e 32.298.014-3.
O assessor jurídico da agência informou que o INSS não poderia ter incluído o nome da AlmapBBDO no listão porque uma juíza da 12 Vara das Execuções Fiscais Federais de São Paulo já havia julgado extinta a execução fiscal, acolhendo os argumentos da empresa. A Janela até que adoraria explicar esses argumentos para seus leitores, mas infelizmente advogados escrevem num dialeto um tanto distante da língua portuguesa, provavelmente para que a gente seja obrigado a contratá-los para eles se entendam lá entre si.
Até onde conseguimos alcançar, porém, parece que o problema começou quando o INSS glosou uma compensação de contribuições sobre pró-labore realizada pela AlmapBBDO. Como é de praxe nas questões jurídicas, desde então as partes têm trocado recursos em diversas instâncias, cujas últimas decisões chegaram a permitir que a agência se acreditasse livre de problemas. Felipe Amante inclusive cita que recentemente o próprio INSS expediu Certidão Negativa de Débitos em nome da empresa.
A despeito disso, o nome da agência foi incluído no listão, dando a entender que o débito continua sendo considerado pela Previdência Social. A mensagem da AlmapBBDO para a Janela não informa se os advogados da empresa tomarão providências para que o INSS retire o nome da relação presente no seu site.
MAIS EXPLICAÇÕES
O publicitário Marcelo Gorodicht também entrou em contato com a Janela para explicar que as agências MG que estão no listão do INSS não são a dele, mas homônimas. "Com dois meses de operações nem daria para eu ficar devendo", ele brinca. Nesse embalo, aliás, este colunista aproveita para também ficar de fora com a sua Dinâmica Promoções, que nada tem a ver com as demais Dinâmicas devedoras do INSS.

Contemporânea conquista Icatu- Hartford
A Contemporânea acaba de ganhar a conta de publicidade corporativa da Icatu-Hartford, uma das dez maiores companhias do país no segmento de seguros de vida, previdência e capitalização (de acordo com dados da SUSEP - Superintendência de Seguros Privados). A agência apresentou uma proposta para o atendimento da conta que prevê a criação de uma equipe de profissionais especializados na área, além de um minucioso trabalho de planejamento que tem início nesta segunda-feira, dia 19.
A Icatu-Hartford é uma joint venture do Grupo Icatu que atua no segmento de seguros há mais de 60 anos, e a Hartford, uma das mais tradicionais empresas do segmento nos Estados Unidos. Com mais de R$1,5 bilhão em reservas administradas, a empresa conta com mais de cinco mil corretores e uma carteira de quatro milhões de clientes - representando 6,5% de participação no mercado.
A primeira campanha da Contemporânea para o cliente deverá entrar no ar no segundo semestre deste ano.

Magoo reduz no Rio para driblar a crise
A retração do mercado publicitário carioca, com cortes de verbas tanto em mídia quanto em produção, obrigaram a produtora Mr.Magoo a reduzir a sua estrutura no Rio de Janeiro. O diretor da empresa, Clóvis Aidar, que está sediado em São Paulo, explicou para a Janela que a sua prioridade está sendo reorganizar o orçamento da Magoo para zerar as pendências das produções já realizadas. "Estamos em contato direto com todos os profissionais e empresas que trabalharam com a Magoo nos últimos meses e nossa meta é estabilizar as contas de produtora em menos de 60 dias", informou.
Neste primeiro momento, Aidar adianta que não pretende voltar a ter um profissional de atendimento no Rio de Janeiro, ficando ele mesmo responsável pelos contatos com as agências. "A Magoo está com muitos orçamentos em São Paulo e estou otimista em sair rapidamente desta crise", disse o empresário, completando: "quem conhece a história da Magoo sabe que ela nunca deixou de honrar os seus compromissos. O mercado carioca pode ficar tranqüilo que isto não vai mudar".

CCRJ/ Folha Dirigida anuncia vencedores
O Clube de Criação do Rio de Janeiro acaba de divulgar a lista dos 18 vencedores do 2 Prêmio CCRJ/Folha Dirigida de Propaganda. Os estudantes selecionados entre 400 trabalhos inscritos, ganharão estágios em agências cariocas. O CCRJ não divulgou os ganhadores do Grand Prix, Ouro, Prata e Bronze - eles só serão anunciados no dia da festa de premiação do concurso, ainda sem data marcada.
Os estudantes selecionados são:
Rodrigo Espinoza (ESPM), Ronnie Vicck (ESPM) - Anúncio "Doar/ Receber"
Daniel Oksenberg (UNESA) - Anúncio "Vírgula"
Klênio Lopes (UNESA / Oficina de Criação Estácio), Luiz Alberto (UNESA / Oficina de Criação Estácio) - Anúncio "Televisão de Cachorro"
Fabiano Gomes de Souza (UNESA / Oficina de Criação Estácio) - Anúncio "Só Falta Você"
Thaís Calmon (ESPM) - Anúncio "Panelinhas"
Ricardo Freitas (FACHA), Marcelo Giordani (UNESA / Oficina de Criação Estácio) - Anúncio "3 quilinhos"
Frederico Augusto Lessa (ESPM / Oficina de Criação Estácio), Gustavo Vieira Dias (ESPM / Oficina de Criação Estácio) - Anúncio "Oração"
Danielle Pascoalino (PUC), Renata Coelho (PUC / ESPM) - Anúncio "Lixeira"
Edu Moreira Salles (IESB), Carlos Filho (UNB) - Anúncio "Gráfico"
Hugo Santarém (IESB) - Campanha "Fome"
Victor Rocha (ESPM / Oficina de Criação Estácio), Raphael Arantes (UNESA / Oficina de Criação Estácio) - Campanha "Personagens".

Brasil leva 108 para Figueira da Foz
O Brasil vai participar com 108 peças do 4 Festival Internacional de Publicidade em Língua Portuguesa, em Figueira da Foz, Portugal, acontece de 22 a 24 de Maio. Serão 39 filmes, 50 anúncios, 7 cartazes, 2 fonogramas e 10 peças digitais.
Das 11 agências participantes, a Newcomm Bates foi a agência com o maior número de trabalhos, inscrevendo 26 peças. As demais concorrentes são Agência3 (2 inscrições), Binder Comunicação (1), Colucci Propaganda (6), Comunicação Carioca (3), Contemporânea (3), DPZ (1), Euro RSCG Interaction (9), Giovanni FCB (13), Ogilvy & Mather (32) e Taterka (12).
O júri será presidido pelo português Pedro Bidarra e o Brasil participa do júri com Silvio Matos (Newcomm Bates) e Fernando Campos (Giovanni FCB).

Niterói pede desconto duvidoso em edital
A disputa pela verba de R$ 3 milhões da Prefeitura de Niterói, relançada esta semana, está causando incômodo nas agências que retiraram o Edital de Licitação da Concorrência n 01/2003, pela pontuação conferida aos descontos prometidos pelos concorrentes. Segundo o item 8.3 do documento, quem oferecer desconto superior a 20% receberá 50 pontos na proposta de preço. A pontuação é gradativa, começando com 10 pontos para os descontos que ficarem entre 1 e 5%.
A dúvida acontece porque o cabeçalho desta tabela refere-se simplesmente à palavra "DESCONTO", enquanto o parágrafo 5.2 do edital, que remete à tabela, diz que os licitantes "deverão oferecer o percentual total (grifo nosso) do valor do desconto", calculado por garantias sobre vantagens oferecidas em relação a três itens: custos internos de produção, preços de fornecedores e preços de veículos. Na análise dos publicitários que tiveram acesso ao Edital, não fica claro se a Prefeitura de Niterói quer descontos superiores a 20% no todo ou em cada um dos itens, por mais absurdo que isso possa ser. Enfim, nada que a expressão "Total de Descontos", ou semelhante, no cabeçalho da tabela não resolva, se esse for o objetivo da comissão de licitação.
Na opinião de João Luiz Faria Neto, consultor jurídico do Sindicato das Agências do Rio, sob qualquer hipótese, as normas do CENP determinam que, para uma verba de R$ 3 milhões a agência somente poderá oferecer um desconto de 2% sobre os custos de veiculação. Sendo assim, no caso do desconto pedido pela Prefeitura ser para a soma dos três itens, bastará a agência oferecer um desconto de 19% dividido entre custos internos e de fornecedores para alcançar a pontuação máxima prevista pelo Edital.
EXPERIÊNCIA EM GOVERNO
Apesar de o Edital de Niterói ter o ponto positivo de não pedir trabalho especulativo, ele inclui um aspecto que está sendo motivo de críticas, por diminuir as chances de agências que nunca trabalharam para órgãos públicos. Na avaliação do portfólio, os pontos conferidos para trabalhos realizados para governos ou entidades públicas valerão o dobro dos creditados para peças da iniciativa privada.
A entrega dos documentos para a licitação de Niterói está marcada para 30 de junho, às 10:00h, no auditório do Centro Administrativo de Niterói, daquela cidade.
SERVIÇO DA JANELA - O edital pode ser retirado no Centro Administrativo Municipal, que fica na Rua Visconde de Sepetiba, n 987, 4 andar, Niterói.

Festa da Cine: oportunidade para reflexão
Não dá para deixar passar em branco a festa promovida pela Cine esta quarta-feira no Rio de Janeiro, sem que se faça uma reflexão. Afinal, o que se viu foi uma produtora de São Paulo investindo no Rio de Janeiro para mais de R$ 100 mil (na avaliação desse colunista) em uma boca-livre com 500 convidados em que, tirando socorro médico -- sofri um pequeno acidente na festa e não tive como ser medicado -- nada foi esquecido: desde serviço de manobrista a brinde na saída, passando por buffet, decoração, receptivo, luz e som profissionais. E ainda o luxo de Clóvis Mello e Raul Dória terem trazido de São Paulo um avião de convidados -- publicitários e jornalistas do trade --, para passarem a noite no Rio.
O que leva uma empresa paulista a esta demonstração de confiança no mercado carioca, quando percebemos que há muito tempo (e bota muito tempo nisso), não se vê uma agência ou produtora local chegando nem perto de tamanha demonstração de fé? Nem isoladamente nem como classe. O leitor se lembra que há alguns anos as produtoras do Rio se juntavam para promover festas de fim-de-ano e bota-foras de Cannes? Agora, nem mais isso.
Pode até ser que a festa da Cine tenha sido apenas sinal de um divertissement paulista, uma pequena queima dos ricos lucros provenientes dos comerciais feitos pela produtora para agências de São Paulo. Mas também pode ser que Mello e Dória estejam enxergando números na cidade do Rio de Janeiro que logo vão permitir a volta -- naturalmente com folga -- dos investimentos realizados.
Estou longe de querer tirar conclusões apressadas. Mas se a segunda hipótese for a verdadeira, não teremos como fugir de um diagnóstico, assinado e carimbado por junta médica, de miopia das empresas locais. Seja pela falta de nitidez com que vêm fotografando o potencial do mercado, seja pelo formato que visualizaram suas estruturas para atender a demanda real das agências e anunciantes aqui sediados..
Como é arriscado esperar que caiba ao tempo trazer a resposta, sob pena de agravamento da eventual doença, convém que as produtoras cariocas aproveitem a oportunidade para fazer um detalhado check-up.
Afinal, ontem foi a festa só da Cine. E se a tese de Clóvis Mello e Raul Dória estiver certa, não vão faltar datas livres na noite carioca para outras produtoras paulistas festejarem com grandiosidade suas entradas no mercado carioca.

Festa da Cine - Reflexões...
Caro Marcio,
Surpresos com a sua opinião sobre as produtoras cariocas resolvemos escrever em nome da CaradeCão para mostrar que não se pode mensurar os investimentos feitos no mercado do Rio de Janeiro apenas por uma festa.
Utilizando um termo da sua matéria, "enxergamos" tanto o mercado carioca que acabamos de adquirir um mais um Flame e um Smoke de última geração. O valor investido, inclusive, daria para oferecermos diversas festas desse porte, mas optamos por nos equipar melhor para prestar serviço de alto nível aos nossos clientes. E também para que eles não precisem buscar qualidade numa produtora de outro estado.
Além disso, a CaradeCão encerrou 2002 finalizando a compra dos equipamentos da J.B.Tanko e conta hoje com uma das maiores estruturas de produção do país na sede do Rio de Janeiro. Criada em 1999, atua hoje com 50 funcionários, contra 12 da Cine.
A confiança no mercado carioca sempre foi demonstrada pela CaradeCão, seja ela através de eventos ou pela principal motivação que rege a produtora oferecer sempre um trabalho de qualidade aos nossos clientes.
Atenciosamente,
Nilton Cacheado, Juarez Precioso e Luiz Leitão - Sócios da CaradeCão

Esse e-mail é só para parabenizar o Marcio Ehrlich por seu artigo sobre a festa da Cine. Agora, só nos resta torcer para que a segunda opção seja a verdadeira.
Abraço,
Rafael Pitanguy, Script Comunicação

REFORÇOS DO MERCADO
Academia de Filmes (Rio de Janeiro) - Vera Oliveira acaba de ser contratada para assumir a função de atendimento da produtora. Verinha iniciou sua carreira na Claquete, em 1984. Mais tarde, foi RTV de agências como Young & Rubicam, V&S, DPZ e JW Thompson. Em seu currículo estão trabalhos para Petrobrás, Shell, Esso, Coca Cola Light, Guaraná Kuat, Cerveja Bavária, Souza Cruz, TIM Net, Brasil Telecom, Embratel, Triumph e Xerox do Brasil, entre outros.
Aquarela Filmes (Rio) - A produtora reforçou sua equipe com Tarcísio Puiati e Rodrigo Magalhães. Tarcísio é gaúcho e foi diretor da Cápsula Cinematográfica e Zero Filmes. Ele é responsável pelo curta-metragem, "O Poço" e agora está em fase de pré-produção do seu primeiro longa vencedor do Prêmio Santander Cultural. Já Rodrigo é carioca, estudou cinema na New York University, trabalhou na finalizadora francesa Mikros Image e dirigiu para a Cinema Centro e Espiral Filmes.
MG (Rio de Janeiro) - A agência contratou Rose Schechter (ex -100% e Binder Comunicação). Ela assume o cargo de gerente de mídia no lugar de Felipe Coutinho, que está deixando a agência.
NBS (São Paulo) - José Reinaldo Gomes (ex- Valor Econômico e Bates) é o novo diretor de mídia da sede paulista da agência. Ele vai reforçar o time que vai atender os novos clientes conquistados. Um deles, é o Guaraná Antarctica, da AmBev.
Thompson (Rio de Janeiro) - Quatro profissionais reforçam o time da agência. Para a área de criação foram contratados os designers Bruno Camolez (ex-Publicis) e Maurício Ventura (ex-Ogilvy), que vão trabalhar com foco principal nas contas da Shell e sorvetes Nestlé. Já Wilson Pereira (também ex-Ogilvy) entra para o setor de RTV, enquanto Fabienne Nogueira foi promovida e deixa de ser estagiária para atuar na área de atendimento da conta da Ford.